sexta-feira, 7 de novembro de 2008

A nova «Branca de Neve» acabada de sair do estaleiro (1974)


Esta era a traineira «Branca de Neve» que acabava de "ir abaixo" acabadinha de construir nos Estaleiros de Peniche de Cima, como curiosidade vêm-se os viveiros de lagosta e estavam então bem arranjados. Vê-se o novo Radar na Casa de Leme, o novo Alador feito na firma Laranjeira & Sales, por ideia e desenvolvimento do Sr. Victor Laranjeira, grande impulsionador de novas técnicas nas artes e aparelhos de pesca (talvez um dia volte a este assunto), este não era o primeiro Alador, já que o mesmo foi instalado na antiga traineira "Branca de Neve", com dois motores e popa de leque, esta foi a ultima (houve três) a ser construida, e este Alador foi feito na mesma em Peniche na mesma oficina e era mais evoluído. Desta traineira pertencente à sociedade de Joaquim Leitão e sócios, governado pelo mestre Baptista, faziam parte da tripulação o meu pai Francisco Vieira, Jesuino Rola meu padrinho que era o Contra-mestre, José Rodrigues (Esgucha), Simão, "Jorra" entre outros.

A foto foi cedida pelo meu amigo José Baptista, que também chegou a ser tripulante mas não sei se nesta ocasião.

9 comentários:

Luis Santana disse...

Lembro-me deste barco, penso que foi a ultima Branca de Neve.Recordo-me do primeiro alador, uns diziam que era melhor outros diziam que era pior, e obvio que foi uma grande inovacao na pesca.Gostaria de enviar um especial abraco a esse senhor que cedeu a fotografia, que por acaso e meu cunhado. Um abraco a todos. Luis

ALBINO disse...

Mais um barco de que me lembro,pelo menos o nome nao me e estranho pois ja o mencionei e comentei..gostava realmente de saber o ano que a BRANCA DE NEVE saiu do estaleiro.e claro vendo tambem ao fundo os velhos viveiros[hoje completamente nao existentes]traz-me boas memorias..hey chico,Luis e todos que participam neste blog..assim como o senhor que cedeu a fotografia que sempre o vejo quando estou ai de visita,um abraco para ele tambem...
se o barco foi ao mar antes de marco 1966 ainda ai estava....
Abraco para todos

elvira carvalho disse...

Passei amigo. Deixo um abraço e votos de bom fim de semana.

Anónimo disse...

OI FRANCISCO GERMANO!QUE SAUDADES EU SINTO DOS MOMENTOS QUE PASSEI NESTE BARCO.ORA PARA IR Á BERLENGA,ORA PARA IR NAS PROCISSÕES DO MAR.ERA O MEU QUERIDO TIO JOÃO BATISTA O MESTRE,E O MEU TIO JOAQUIM LEITÃO UM DOS DONOS.
NÃO SEI SE ESTOU A FICAR CHORONA COM A VELHICE.OU SE ÉS TU QUE TENS O "CONDÃO " DE ME FAZER CHORAR DE SAUDADES.
ESSE BARCO,ESTEVE LIGADO A MUITOS FAMILIARES MEUS,TANTO POR PARTE DA MINHA MÃE COMO PELO MEU PAI,E QUANDO FOI "ABATIDO"FOI COMO SE MORRESSE COM ELE MUITAS DAS MINHAS RECORDAÇÕES DE MENINA.
OBRIGADO.
UM ABRAÇO.
CIDÁLIA

Nuno Leitão disse...

Recordar é viver

Anónimo disse...

Penso que a primeira ou a segunda "Branca de neve" foi contruida pelos "Mónicas" em Aveiro porque o meu avô também construiu na década de 60 a "Pérola de Sesimbra" e pelo que vi numa outra foto tanto o casco como a ponte e os mastros eram iguais.
Gostava de saber em que ano esta traineira foi abatida?
Em 1974 as traineiras de sesimbra utilizavam o alador espanhol que só substituiram no inicio da década de 90.
Vi num outro blog uma traineira construida no Gambos de nome "Zézinha" sabem tambem até que ano esteve activa na faina, vi tambem a "Clarinha" do mestre e amigo Zé Patas em construção.
Obigado por publicarem estas fotos de traineiras antigas.

Miguel Sesimbra

Anónimo disse...

a zézinha foi tranformada para pescar com redes de emalhar e pescava sob bandeira marroquina nos mares de marrocos ,foi ao fundo junto ao cabo espartel no inicio da decada de 80,norte de marrocos era seu propriétário o xico campino.

João Barão disse...

Peniche Maravilhoso. Quando era pequeno passava as minhas férias em Peniche. Tive um colega, Adelino Leitão, cujo pai, Joaquim Leitão, tinha 5 grandes traineiras de pesca que nessa altura levavam mais de 30 tripulantes, pois as redes eram aladas à mão. Depois é que vieram os aladores mecânicos. Fui muitas vezes à pesca nessas traineiras, em especial a " Branca de Neve " que muitas vezes vinham até perto de Cascais, local onde o sonar detetava grandes cardumes de sardinha. Aos Domingos íamos fazer um passeio turístoco às Berlengas onde se fazia uma grande caldeirada a bordo. E para a caldeirada usávamos a água do mar, que tinha a quantidade de sal exato para ficar saborosa..Lembro-me do Mestre Batista, não sei se ainda é vivo.

Francisco Germano Vieira disse...

Como diz eu também era amigo do Adelino Leitão, embora mais novo, infelizmente já desaparecido, o Mestre Baptista também já faleceu há muito, o meu pai também andava nessa traineira, recordações, que aqui vou publicando para que o tempo não apague completamente a memória.