domingo, 13 de março de 2011

Geração à rasca

Milhares de jovens, mas também pais e avós, desfilaram em número elevado pelas principais cidades do país, protestando contra a sua situação, de desemprego, precariedade, insegurança, falta de perspectiva de futuro, foi um grito de revolta pacífico, “desenquadrada” dentro dos moldes habituais das manifestações promovidas por partidos políticos ou organizações sindicais, por isso, especialmente por isso, deve ser tomada especial atenção aos sinais que de lá vêm, trata-se de um movimento genuíno e verdadeiro, de quem sente na pele a dureza do dia-a-dia, sem desprimor ou desconsideração para todas as outras manifestações promovidas por organizações partidárias ou sindicais.

O que aquela mole humana quis dizer foi que está farta de promessas, de desilusões, de ver os pais se sacrificarem para os manter a estudar, tirar um curso superior, para depois lhes dizerem que não têm futuro, aqueles jovens dizem parafraseando José Régio:

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

É isso, os jovens, nós, todos nós, não sabemos propriamente para onde vamos, sabemos sim que não queremos ir por aí.

1 comentário:

António Rocha disse...

Gostei da Manif!
Gostei do fim deste PEC!
Gostei da demissão do Sócrates!
Gostei de ouvir os primeiros disparates do Pedro Passos Coelho!
Na noite das Eleições quer ficar contente com o voto da Geração à rasca.
Nesta noite aguardo que a Geração à rasca mande estes dois políticos que mandaram aprovar os PECs para desgraça do povo Portugês.Hoje estamos nós à rasca amanhã devem ficar estes dois produtos do Marketing.