sexta-feira, 15 de abril de 2011

Respeito e Dignidade, apesar de tudo!

Com o vendaval que se abateu sobre Portugal a propósito da crise da divida soberana e da necessidade de um empréstimo de emergência tenho lido e ouvido muita coisa.

Desde logo pelos políticos com responsabilidade, uma vez que o nosso país tem dificuldades, enquanto uns falam demais e frequentemente, outros que deveriam falar estão calados, havendo como que um vazio de credibilidade da parte do estado português em relação às palavras, algumas jocosas e de alguma forma insultuosas, vindas dos nossos “amigos” europeus.

Depois de um grupo alemão interpor uma providência cautelar para inviabilizar a parte do empréstimo respeitante à Alemanha, vem agora a Finlândia ponderar a contestação à aprovação do empréstimo, digo bem empréstimo e não dádiva.

Quer dizer que os nossos solidários amigos nos estão virar as costas quando mais precisamos, custa não ver ou ouvir uma palavra de exigência de respeito, para essa gente que está sentada nas cadeiras do poder europeu, político e/ou financeiro.

Não é a primeira vez que o nosso país na sua já longa historia, tem de se virar para outras partes do mundo, em busca daquilo que a Europa não lhe deu, dá para pensar que nos estarão a mandar docemente embora do euro, se assim for, teremos de procurar o futuro no relacionamento mais aprofundado com outras paragens, nas Américas, na África, na Ásia.

Tal como há 500 anos talvez tenhamos de seguir outro caminho, talvez.

Vamos ficando atentos ao desenrolar dos acontecimentos e esperar que haja algum sentido de Estado dos nossos políticos desde o mais pequeno até ao maior, para que não sejamos a chacota da Europa.

P.S. – 1 - Continuo sem perceber porque é que o PR tem de comunicar com o povo Português através do Facebook, será que ele acha que todos nós (eu nem estou lá registado) temos acesso às Redes Sociais?

P.S. – 2 – Não sou favorável à saída do Euro nem à saída da U.E., no entanto, o País deve aproveitar esta grave crise para ponderar o que é que pretende para o futuro.

Sem comentários: