quarta-feira, 6 de julho de 2011

O "Virgem Maria" a "ir abaixo" em Peniche de Cima - 1976


Nesta imagem gentilmente cedida pelo Miguel Lourenço de Sesimbra, vê-se o "Virgem Maria" a ir abaixo na praia de Peniche de Cima, construído nos antigos Estaleiros da Gamboa, era uma embarcação de 26,5 metros com matrícula de Sesimbra e era destinada à pesca do Peixe Espada Branco em Marrocos e nos bancos.
Os "painais" eram acartados pelas juntas de Bois, possivelmente do "Francisco dos Bois".
Como curiosidade vêm-se andaimes para reparação da Guarita de Peniche de Cima naquele ano de 1976.

Foto enviada pelo Miguel Lourenço

4 comentários:

Albino disse...

Imagem interessante para relebrar o passado..Abraco

FILIPE da SILVA disse...

Parece que brevemente têm que lá montar andaimes outra vez, passei por lá com a minha filha á 2 semanas e é bem visivel o desgaste na parte de baixo da dita guarita, vamos ver se qq dia não aparece a foto do lugar da guarita, numa alusão ao "antes e depois"

Miguel Lourenço disse...

Sr. Francisco pergunto se o arquivo Municipal de Peniche tem fotos das embarcações dos ultimos 60 anos e porque não falar com os carpinteiros dos antigos estaleiros do Gamboa para facultar fotos e digitalizar posteriormente para não cairem no esquecimento e se apagarem para sempre.
Aqui em Sesimbra muitas pessoas têm colaborado em ceder as fotos temporariamente para digitalizar e divulgar, posteriormente vou entregar ao arquivo municipal.
A titulo de exemplo ai em Peniche existia um barco em ferro até à década de 90 que me lembro que se chamava Albimar esse barco foi em tempos do mesmo armador do Virgem Maria de Sesimbra mestre Albino, mais recentemente em 2010 foi abatido o "Jade" um navio em ferro de 35m que em 1983 foi construido para uma cooperativa de Sesimbra e o seu nome era Capitão Ramiro Correia que foi vendido para Sines para o mestre Carlos Tiburcio e posteriormente vendido para Peniche até ser desmantelado.

ecascais disse...

Como é bom recordar o VIRGEM MARIA.
Exelente foto, deconhecia essa foto.
Um abraço ao Albino e ao Miguel Lorenço