segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O Sistema de navegação OMEGA

Omega M5O OMEGA foi um sistema de radionavegação por baixa frequência (10 a 14 kHz) utilizado para obter a posição de aviões e navios e determinar as suas rotas. Operado pelos Estados Unidos da América e por seis outros Estados parceiros, o sistema OMEGA foi o primeiro sistema de radionavegação de âmbito global, isto é, utilizável em praticamente toda a superfície da Terra. O sistema operou entre 1971 e 30 de Setembro de 1997, data em que foi desligado por se ter tornado obsoleto devido à disponibilidade do Sistema de Posicionamento Global (GPS).
Em Peniche começou a ser instalado nos barcos de pesca longínqua a partir de 1978-80, sendo o primeiro barco o Trio Ribamar (na figura o OMEGA M5 utilizado então), em substituição do LORAN, à maneira que o GPS foi ganhando predominância este sistema foi sendo substituído. Foi muito utilizado por barcos de pesca longínqua tendo uma grande implementação aqui em Peniche.
Breve descrição
O sistema de radionavegação OMEGA foi desenvolvido pelas forças armadas dos Estados Unidos da América para uso militar (em plena guerra fria). Dada a capacidade de penetração sob a superfície do mar das ondas radioeléctricas de muita baixa frequência, o sistema também podia ser utilizado para a navegação de submarinos.
O desenvolvimento e operacionalização do sistema foi aprovado em 1968, sendo então anunciado como sendo o primeiro sistema de radiolocalização que poderia ser utilizado em qualquer ponto da superfície da Terra, com uma precisão que permitiria obter uma posição com um erro máximo de 4 milhas náuticas.
Cópia de OmegaAllStations Figura 1 – Localização das Estações do Sistema OMEGA
O sistema desenvolvido, que recebeu o nome de OMEGA, baseava-se na operação de 8 transmissores de onda longa (fig. 1), transmitindo em frequências entre os 10 kHz e os 14 kHz, localizados em posições geográficas muitos distanciadas (na realidade grosso modo um em cada continente) por forma a que em cada ponto da superfície terrestre fosse possível receber o sinal transmitido por pelo menos três deles a partir de ângulos que permitissem uma triangulação segura da posição.
609px-Accuracy_of_Navigation_Systems.svg
Figura 2 – Comparação entre vários sistemas de radionavegação, nomeadamente entre o OMEGA e o GPS.
O sinal transmitido por cada um dos transmissores era modulado num padrão de quatro tons que identificava a estação que o emitia, sendo repetido a intervalos de 10 segundos. As emissões eram sincronizadas de forma a permitir que as transmissões a partir de cada estação seguissem um padrão sequencial fixo.
A determinação da posição era feita a partir de um modelo hiperbólico de linhas de posição determinadas pela comparação da fase dos sinais recebidos de cada uma das estações que pudessem ser escutadas no processo de obtenção da posição. Este método permitia obter posições com um erro máximo e 4 milhas náuticas, ou seja um desvio máximo em relação à posição determinada da ordem dos 2,2 km.
Ao longo do período de funcionamento do sistema foram construídas nove estações transmissoras, identificadas pelas letras A a H, com a seguinte localização e características:
   1. Estação A (Bratland, Noruega)
   2. Estação B (Trinidad, ilha de Trinidad)
   3. Estação B (Paynesville, Libéria) (Substituiu em 1976 a da Ilha Trinidad)
   4. Estação C (Kanoeohe, Oahu, Hawai)
   5. Estação D (La Moure, Dacota do Norte)
   6. Estação E (Chabrier, ilha da Reunião)
   8. Estação G (Woodside, Victoria, Austrália)
   9. Estação H (Shushi-Wan, Tsushima, Japão)
Fonte: Wikipédia

1 comentário:

Albino disse...

Interessante saber como foi..gostei!
Abraco.