segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Nós os Portugueses–Maria João Pires

Ontem ouvi numa televisão à hora de jantar uma coisa que me deixou orgulhoso, a Pianista Maria João Pires, num concerto em Amesterdão em 2010, foi surpreendida com a peça que teria de tocar, quando começou a ouvir a orquestra, não era aquela a música que ela ensaiou, espantada a sua cara estava entre o sorriso e a estupefacção, mas não se desmanchou, aqui entra de facto uma das maiores pianistas do mundo, executou a peça ao piano como se tivesse ensaiado com a orquestra, notável. Senti um grande orgulho, e senti necessidade de escrever sobre isto, obrigado Maria João Pires.

2 comentários:

Farelhão disse...

Ai, Germano, continuas a acreditar no Pai Natal. Se tivesses 450 milhões de anos como eu ou 280 milhões como a miúda que é minha vizinha, entenderias que os portugueses não têm nada de especial em relação aos outros povos. Há gente boa e má em todo o planeta. "Nós os portugueses-Miguel Relvas", que achas?
Só em Peniche de Baixo é que toda a gente é boa!
Quanto à Maria João Pires, tão maltratada em Portugal, adquiriu recentemente a nacionalidade brasileira e passou a viver lá. É uma artista de excepção que sentiu que a sua terra lhe foi madrasta.
Como eu gostava de me sentir orgulhoso como tu...

Francisco Germano Vieira disse...

Farilhão, não sei se é da idade mas estás a tornar-te impertinente, no alto dos teus 450 milhões de anos atenta no seguinte:
O título Nós portugueses-Maria João Pires é simplesmente um título,queria simplesmente ressalvar no meio de tanta maldade que nos estão a fazer a classe de alguns portugueses (alguns nota bem), depois podes crer que sinto um enorme orgulho de que Maria João Pires seja (ainda) portuguesa, penso que tem dupla nacionalidade, é verdade que foi maltratada neste país, mas Farilhão, penedo velho e distante, agarremo-nos com unhas e dentes às coisas boas que ainda nos restam.
É falso que só em Peniche de Baixo é que toda a gente é boa, Peniche de Cima é o melhor e ponto final, aliás não sei se bem vistas as coisas não pertencerás também a Peniche de Cima.
Um abraço para essa pedra antiga mas bonita.