sexta-feira, 27 de junho de 2014

O mundial do Brasil e a nossa selecção

CapturarGosto muito de futebol.

Agora que acabou a nossa presença no mundial do Brasil, vamos novamente voltar ao normal, as televisões deixarão de dar doses industriais de programas, em que o assunto é curto e o tempo é longo, sem aquele costumado controle de tempo “bem sabe, temos de terminar, estamos em televisão” a redundância das afirmações acerca dos mesmos assuntos acabaram, para já, daqui a dois anos lá virão novamente as televisões e os jornais com o beneplácito da governação (quem estiver na altura) a lançar o nome de 23 heróis, que partem à conquista de uma taça como se fosse o desígnio de um país.

Gosto de ver futebol, repito, até “discuto” com os meus amigos futebol, mas caramba, há limites para tudo, nem se podem transformar aqueles rapazes em heróis porque vão jogar um jogo de futebol, nem depois tratá-los como vilões porque afinal são humanos como nós, têm dias bons e maus e até perdem jogos como os outros.

Bom senso precisa-se e é hora de descer à terra e voltar as atenções para a nossa vida colectiva, a ver se não haverá controlo de tempo nas televisões quando alguém for falar “do estado a que isto chegou”.

Até 2016, se por cá andarmos.

2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Heróis eles? Desculpe amigo, mas herói para mim são os desempregados que depois de um dia calcorreando caminho na busca dum qualquer biscate que lhe permita ganhar alguma coisa, chegam a casa e tem que dizer que estão sem fome para não tirarem aos filhos o pouco que têm. Heróis são os reformados que vivem com reformas de miséria e têm que escolher entre comer, pagar a casa, a ou ir à farmácia buscar um medicamento, que às vezes até é essencial.
Um abraço e bom fim de semana

Luis disse...

Infelizmente temos uma equipa a imagem do Pais, muita parra e pouca uva, e mais uma vez fazemos tudo para deixarmos uma imagem triste em tudo que tocamos.