sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Borgen

Já há tempo que não escrevo, mas tenho acompanhado uma serie na rtp2, com o nome de Borgen, (nome do edifício que alberga o governo, o parlamento e penso que o tribunal superior) a serie é dinamarquesa, (penso que já vem de 2010), o enredo é baseado na vida de uma primeira-ministra deste pais e do dia a dia tanto do governo como da sua vida pessoal, que diferença, apesar de ser ficção, sei que o estilo de vida é assim, simples e sem luxos faustosos, a primeira ministra tem um assessor de imprensa a que chama, spin doctor, um assessor de ligação e aqui é que são elas, uma secretária que faz de telefonista do gabinete de primeiro ministro, claro que em situações de crise tem outros assessores e especialistas, mas já a vi chegar a casa e lavar a loiça depois de fazer o jantar, alem de outras coisas que a confundem com uma pessoa comum sem aquelas responsabilidades. Neste ultimo episódio que vi, a filha que tem um problema psicológico grave e precisa de internamento, as vagas no serviço público estavam com 50 semanas de espera o que inviabilizava o tratamento imediato, teve de a internar numa clinica privada, logo aproveitado pela oposição pois ela apresentava um projecto de reforço do serviço nacional de saúde em detrimento dos privados, os jornais, lá como cá, aproveitaram a doença da filha e montaram tenda à porta da clinica, alterando a vida da clinica e explorando ao máximo a doença da criança sem respeito pela sua vida, mas, para finalizar, sendo primeira-ministra não “arranjou” vaga milagrosa no serviço nacional de saúde para a filha, não, para libertar a clinica do sufoco que lhe montaram à porta, pediu a suspensão de mandato de primeira-ministra até à cura da filha. Que diferença de concepção do serviço público.

1 comentário:

Elvira Carvalho disse...

Ainda há países onde os ministros não são Deus que tudo querem e podem. E os nórdicos são nesse aspecto os mais correctos.
Um abraço e bom Domingo