terça-feira, 28 de abril de 2015

As pescas em Peniche–carta de um ex-pescador



Por norma, não costumo reproduzir aqui o conteúdo do que me deixam no Livro de Visitas e tenho lá textos bastante interessantes, mas este último escrito por alguém que eu conheço desde pequeno, chama-me a atenção para o drama que é/vai ser o futuro da pesca em Peniche, sem mais delongas, aqui reproduzo o pequeno texto deixado por um pescador que teve de abraçar outra profissão para poder sobreviver:

 
""Sr. Francisco, antes de mais quero lhe dar os parabéns pelo seu blog. Venho por este meio expressar a minha tristeza por estar a ver a nossa terra a morrer aos poucos, e o sonho de muitos jovens que amam o mar não poderem exercer a sua profissão. Fui pescador desde os 16 anos até aos 24 anos e fui obrigado a deixar a minha atividade devido a não me dar condições de subsistência, pois quando se começa a ter encargos fixos todos os meses, desta forma não é fácil gerir a nossa vida. É com grande tristeza que quando vou ao porto de pesca, sinto que estou num deserto com tendência a piorar, olho para o que resta sem nenhum futuro à vista. No meu caso e de muitos homens do mar foi-nos arrancado um pedaço da nossa vida, e um sonho que nos mantinha ligados a esta maravilhosa terra (O MAR E A PESCA). Nesta altura do campeonato só me resta a pesca desportiva para não me esquecer que continuo a ser Penicheiro e filho da terra. Um grande voto de sorte e de coragem para o que resta da pesca e dos nossos pescadores que ainda só continuam a lutar por amor a sua profissão.
Raul Barradas""

1 comentário:

Farelhão disse...

Qualquer comentário ao texto de Raul Barradas não iria acrescentar nada ao essencial da narrativa.
Quero apenas deixar aqui o que senti ao lê-lo e resumir esse sentimento numa palavra:VERGONHA. Se tivesse que escrever outra seria "LUTA".
Os cravos murcharam, é verdade, "mas há sempre alguém que semeia canções no vento que passa". Que se cuidem os que têm a consciência pesada.