sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Os "mercados"

Na sequência das rocambolescas negociações e aprovação do Orçamento Geral do Estado para 2011, pensámos que os “mercados” acalmassem, tal não veio a acontecer, ontem a taxa de juro da dívida pública subiu até níveis nunca antes alcançados, mais de 6,5%, vêm depois outros “conselheiros” dizer que os “mercados” essa famigerada figura invisível mas má, ainda não estão contentes. Depois de “lhes” ser dito que as pessoas iam perder Abono de Família, redução de ordenados, aumentos de TODOS os impostos, enfim depois de nos ser preparado um ano(s) horrível, eis que ainda não chega.

Qual monstro insaciável, os “mercados” que ninguém sabe o que são, estão sedentos de sangue, como Abutres estão parados nas árvores, mas já lhes cheira a carne putrefacta, então quando já ninguém aguentar mais isto, virão saciar-se de vez, enchendo a barriga sem querer saber se há leite na mesa das crianças portuguesas.

Os “mercados” esses animais famintos e omnipresentes, ainda se ao menos algum de nós pudesse falar com um dos “mercados” que nos estão a mandar para a miséria.

3 comentários:

jorge saldanha disse...

Eu acho que quem tem que se acalmar são os mercadores ou os mercenários.

maria disse...

..concordo plenamente, grande confusão que fazem nas "nossas cabeças", simples votantes....
maria

Oriops disse...

os "mercados" não são mais do que instrumentos criados e geridos pelo Homem para os servir a seu belo prazer. Acções, obrigações, fundos, ....., tudo isto controlado pelo Homem de Capital e pela Banca. Já reparaste no casamento que dá Mercados+Bolsa com os padrinhos Políticos, e nós somos os coitados dos convidados a quem não dava jeito ir ao casamento e ainda temos de financiar a boda e a viagem de lua de mel.... é no que vivemos...


Um bom dia a todos!