quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Um novo dia

DSC05862-1_1
Cada um de nós tem sempre algo para oferecer, mesmo nos momentos mais difíceis das nossas vidas como povo ou pessoais, até as coisas mais simples são importantes, eu ofereço imagens, que talvez o romper do novo dia, contrarie as noticias que nos chegam pelos órgãos de informação (já quase não faz sentido repetir o que todos os dias nos aparece em casa), o aumento para o dobro das Taxas Moderadoras dos Hospitais ( a propósito, Hospital de Peniche, “Quo Vadis?”), passando 9 euros para 20 (vinte) euros um episódio de urgência por vezes atendido à pressa, o resto toda a gente sabe, ou pensa que já sabe o que o espera para o novo ano, só vou referir mais uma que é fresquinha, a substituição das Administrações dos Hospitais de Gestores do PS pelos do PSD e CDS, como se vê nada muda assim tanto que não caiamos (eles) nas mesmas tentações.

3 comentários:

Marco Vieira disse...

É realmente melhor começar assim o dia! Por contraposição, como dizes e bem, com as noticias que denotam um alheamento da condição social e económica que impera. E infelizmente irá piorar...

Obrigado!

Luis Santana disse...

E caso para dizer que as moscas mudam, mas a m.... e sempre a mesma. Um abraco. Luis

ramiro viegas disse...

Foi a ditadura dos partidos PS-PSD que nos tem vindo a cair neste abismo. As administrações dos organismos não são mais do que os representantes dos interesses que estão por detrás dos partidos ou será que estou enganado? Relativamente à aparelhagem do bloco operatório do hospital de Peniche que, segundo os técnicos era superior ao do hospital das Caldas da Rainha, o que foi feito dele? E as obras do hospital de Peniche são para começar sine dia?
Esta ditadura das administrações sem responsabilidades cívicas e sociais são de um total desprezo por todos os que trabalham no hospital de Peniche mas a minha preocupação de sempre foi que Peniche, nunca foi respeitado nem como terra nem como POVO. Quando é que acordamos para uma realidade que teimosamente ignoramos e nem sequer queremos ouvir falar destes problemas?