sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Manuel António Pina, (1943-2012)

Aos filhos

 

Já nada nos pertence,

nem a nossa miséria.

O que vos deixaremos

a vós o roubaremos.

 

Toda a vida estivemos

sentados sobre a morte,

sobre a nossa própria morte!

Agora como morreremos?

 

Estes são tempos de

que não ficará memória,

alguma glória teríamos

fossemos ao menos infames.

 

Comprámos e não pagámos,

faltámos a encontros:

nem sequer quando errámos

fizemos grande coisa!

 

Manuel António Pina, in “Um Sitio onde Pousar a Cabeça”

Sem comentários: