domingo, 15 de setembro de 2013

Inauguração do Memorial em honra de Monsenhor Bastos

Há 66 anos que o Padre Bastos veio para Peniche e “revolucionou” digamos assim a vida da juventude e dos mais carenciados, era um Homem com uma visão extraordinária e conseguiu não só mobilizar os jovens de então (a primeira vez que vesti um equipamento de futebol foi através dele, eu e todos os da minha geração), como mobilizar as forças vivas de Peniche para as grandes causas, estas simples palavras só para referir a inauguração do Memorial em sua honra no jardim do Lar de Santa Maria, outra das suas grandes obras, da qual junto imagem é a minha mais simples homenagem a este grande Homem.

Memorial (18)

Fotografia gentilmente cedida pelo Carlos Tiago.

1 comentário:

Farelhão disse...

Passados 5 dias desde que este post foi editado, nenhum comentário aconteceu, mesmo tendo, como objecto, uma figura consensual em Peniche. Porquê, interrogo-me eu. Aqui fica a minha justificação, naturalmente subjectiva e especulativa: quase diariamente, passo numa praça de Lisboa que é conhecida como AREEIRO e à qual puseram o nome de Praça Francisco Sá Carneiro. No centro desta praça está uma escultura de que ninguém gosta, tal a falta de sentido estético, a roçar mesmo o piroso.
Penso que se passa o mesmo com o memorial do padre Bastos. As duas aletas com baixos relevos mais parecem lençóis (pouco limpos) na corda da roupa do que elementos plásticos descritivos dos aspectos mais relevantes da vida do padre Bastos.
Acho francamente feio este memorial. Quase tão feio como a estátua do Areeiro.