quarta-feira, 8 de junho de 2011

Meu amor, meu amor

Meu amor meu amor
meu corpo em movimento
minha voz à procura
do seu próprio lamento.

meu limão de amargura meu punhal a escrever
nós parámos o tempo não sabemos morrer
e nascemos nascemos
do nosso entristecer

Meu amor meu amor
meu nó e sofrimento
minha mó de ternura
minha nau de tormento

Este mar não tem cura este céu não tem ar
nós parámos o vento não sabemos nadar
e morremos morremos
devagar devagar

José Carlos Ary dos Santos

-------------------------------------------------------------------------------------

2 comentários:

uhooi disse...

Very nice this blog!!
visit our blog at http://uhooi.blogspot.com/

Anónimo disse...

Um poema lindíssimo, que tanto nos diz. É como o teu outro post, mais recente que este e que não permite comentários: por vezes, diz-se TUDO com tão pouco.

Muitos beijinhos e muita coragem, querido pai, da filha Andreia